Blog em Manutenção:

Blog em manutenção, desculpe-me o constrangimento... Em breve o novo design estará pronto, obrigado pela atenção.

Condicionamentos:

Eu deveria começar com uma lista indicando os nomes de todos aqueles que foram covardes diante do amor que eu senti. Mas será mesmo que por amores perdidos devo sujar o texto? Vai doer demais, meu olho vai ficar roxo depois, quando souberem o que fiz. E não é?

O pior de tudo é o que faço entre as paredes do quarto, desejando que alguém veja. As palavras que jogo pela janela, quando o vento está fraco demais para levá-las aos ouvidos daqueles que devem ouvir.

Frustram-me todas estas condições que devo aceitar para viver. A condição de amar os que me rejeitam, de ter que me machucar para sobreviver, de gritar para ter a devida atenção. E agora esta condição de me expor ao ridículo para saberem que estou vivo e que estou falando com eles.

Porque as pessoas partem deixando um buraco no meu coração? Porque elas não permanecem? Por que a arte de viver consiste em lutar, sem nunca desfrutar de uma única vitória?

Afinal, quando poderei me livrar de todas estas condições?

Acho que o amor deveria ser recíproco. Não deveria existir essa de se apaixonar por alguém que não sente o mesmo por mim. A felicidade tem uma condição, a condição de encontrar a pessoa certa. Porque na verdade duas pessoas nunca se amam mutuamente, sempre tem o que ama e o que rejeita. Até hoje isso é tudo o que conheço sobre o amor, e ainda tem os que dizem que ele é bom.

Se amar é indispensável, sofrer também é, pois isso é tudo o que consegui com o ato de amar. Sonhar, pensar, acreditar, ter fé, esperança, paciência, calma... Que se dane!

Já disseram que a vida sem desafios se torna sem graça, mas o que me dizem de viver o impossível? O que eu ganho vivendo dentro da minha própria cabeça, sem fatos reais para satisfazer os meus desejos? Se ao menos eu estivesse morto, isto poderia ser bem mais real, pois não dependeria do corpo para sentir, dos lábios para beijar, do abraço para aquecer. Eu sempre amei, não vou mentir, mas o que o corpo teve a ver com isso? O corpo nunca sentiu nada! Amei sozinho afinal. Pessoas que não se importavam comigo, que nem sabiam que eu pensava nelas todas as noites.

Mesmo escrevendo, blogando, vomitando os sentimentos sobre uma tela de computador, os filhos da mãe nem sabem que faço isso por eles. Preferem estar vivendo a mentira, enganando a si mesmos, agarrando as mulheres para negar o que já fizeram comigo. Só minha cama mesmo para saber... E eu deveria me importar?

Ser homem também tem lá suas condições. As roupas, as gírias, as atitudes, os gestos, os gostos... Tudo formal, tudo padronizado, tudo tão artificial. Refletir um conjunto de regras, se comparar a um animal (macho), ter um “filme” para zelar como se o importante mesmo fosse a platéia que julga e define se este “é ou não é”.

Aquele que me contou segredinhos obscenos apareceu depois na balada, bebendo cerveja, cheirando cocaína, quase pelado no meio da mulherada, se gabando – quem é este meu Deus?

O outro subiu em cima de mim, deitado na minha cama, lambendo meu pescoço. E reagiu a um pedido de namoro me dizendo que está apaixonado por uma mulher – Ave Maria!

Pior foi aquele que bebeu meu suor, deslizou a mão sobre cada curva do meu corpo, gemeu nos meus ouvidos, disse que me amava e depois, perto dos irmãozinhos, mostrou a foto de uma menina qualquer e disse: olha Brian, esta é minha namorada – Puta que Pariu Vééiii!

Tem muita gente por aí condicionada a exibir a maçã para esconder que gosta de banana. E tem muita mulher sendo usada por este tipo de gente. Meninas, cuidado... Muitos de nós nos aproximamos de vocês para pintar a fachada.

A condição de que só posso saber algo se alguém me disser também me deixa puto. Não deveria existir isso. Os pensamentos deveriam ser lidos, isto acabaria com a mentira e com a falsidade. Porque muita gente me diz um tipo de coisa quando está diante de mim, mas quando viro as costas, as palavras já são outras.

A capacidade de se acreditar ou desacreditar de alguém não é suficiente e bloqueia a confiança. Viver uma vida que pode muito bem ser rodeada de mentiras dificulta as coisas. Ainda mais quando vivo me relacionando com homens que seguem uma série de valores convencionais, rompendo estes valores em segredo, mas ao mesmo tempo tentando andar na linha chegando até mesmo a ser falso para defender tais valores.

Mas que valores são estes? Eu os desconheço. Para mim, digo, para mim, não confundam... O valor verdadeiro consiste em ser o que tem vontade de ser, o que é, o que foi destinado a ser. Defender as opiniões, os desejos, a personalidade, a individualidade, sem se preocupar se isto é aceitável ou não, isto sim é o valor verdadeiro de um homem. Na minha opinião.

Às vezes me sinto incapaz de lidar com a covardia e com o medo. Pois tendo sofrido tanto para adquirir a coragem de viver contra tudo o contra todos, acabo sempre sendo submetido a necessidade de me esconder para preservar o anonimato de um qualquer que eu possa me apaixonar.

Seria justo? Porra! As pessoas deveriam abrir os olhos. Porque todos vivem condicionados e não fazem nada para se livrarem de tais correntes?

Vamos amar, vamos viver sem esperar o apoio de ninguém, vamos ser livres... Meninos! Acordem para a vida! Tirem a maquiagem que esconde o que realmente são! Os olhos sempre dizem a verdade, fingir e se enganar para que?

Termino então...

Não querendo provar nada para ninguém, nem me titulando o dono da verdade. Não dizendo que estou certo ou errado, nem que a verdade é exatamente o que escrevi neste texto...

Termino em aberto e estendo a carapuça. Serviu para você? Então vista!



7 Comentários:

Matheuslaville disse...

Nossa o design do blog é fantastico... Muito lindo e a decoração também... Chama bastante atenção... Parabéns blog lindo...

André Narciso disse...

Pow gostei do design,ficou ótimo.

Samira Machado disse...

Adorei o blog, muito organizado. O texto é muito profundo, foi vc que escreveu?
http://thebookofmydreams.blogspot.com/

Brian Gale disse...

Sim Samira, foi eu mesmo que escrevi, tudo aqui é editado por mim... (inclusive o design, foram horas e horas sofridas diante dos códigos html e edições de imagens gif, rsrs)
Super abraço a você...

kbritovb disse...

Acho que o amor deveria ser recíproco. Não deveria existir essa de se apaixonar por alguém que não sente o mesmo por mim. A felicidade tem uma condição, a condição de encontrar a pessoa certa.

falou tudo

Jéssica ;D disse...

Que lindo.
ótimo blog, adorei :)

Pergunte a uma mulher disse...

Adorei o post e seus comentários no blog.De certa forma você também está questionando os relacionamentos
se um dia precisar que eu poste outra visão estamos aí pra ouvir sugestão de temas e perguntas!

abraços!(seguir é na parte superior do blog, estou seguindo o seu pois gostei)

Postar um comentário

Se deseja deixar sua opinião, fique à vontade. Obrigado: Gabriel G. Myslinsky.

 
Visão de Mundo © Copyright | Template By Mundo Blogger |